sexta-feira, maio 17, 2013

Me apaixonei pela minha terapeuta

sexta-feira, maio 17, 2013


"Não sei direito o que aconteceu!" Disse eu,enquanto me ajeitava no sofá da terapeuta e entrava nos detalhes da minha última falsa desilusão. Conforme descrevia os pormenores das minhas traumáticas relações para a Dr.ª Sônia, comecei a recapitular na cabeça os acontecimentos dos meses anteriores e o real motivo de eu estar ali.

Cerca de sete meses atrás, quando a criatura que eu acreditava ser a mulher da minha vida desmanchou a relação de alguns anos, entrei naquele vórtice poético de sexo, drogas e rock n’ roll. Tentava toda noite preencher o vazio que ela deixou, satisfazendo-me com álcool e dois cubos de gelo, por favor. A cama que já não tinha mais o formato do seu corpo, só era desfeita quando os lençóis acusavam mais uma noite efêmera e sem sentido. E o rock n’ roll ficava por conta da música de cada novo bar que eu adentrava. 

Noite dessas, o garçom (provavelmente com pena do estado em que eu me encontrava) me incentivou à procurar um terapeuta. Abro aqui um parêntese: meus melhores conselheiros sempre foram Nietzsche, Schopenhauer e os outros livros que lia desde sempre. Para mim não fazia muito sentido em pagar alguém apenas para me ouvir. Mas, sem nada a perder, aceitei a sugestão e procurei a clínica que o garçom indicou. Foi aí que o maldito destino me apresentou à Dr.ª Sônia. 

Uma morena de curvas perfeitas, cabelos longos que se dividiam nos ombros e quase alcançavam a cintura sinuosa, olhos que me hipnotizavam através daqueles óculos desajeitados e uma boca que me enchia de desejo toda vez que mordia a ponta da caneta antes de começar a escrever. Me apaixonei pela minha terapeuta. 

A partir daí senti vontade de ver Dr.ª Sônia todo dia, mas como a hora da consulta era muito cara, me contentei em visitá-la uma vez por semana (afinal, havia me apaixonado, não ficado rico). Durante os meses que se passaram comecei a inventar estórias de relacionamentos trágicos e mal acabados para contar nas consultas e assim estender minha relação com a Dr.ª. Eu criava as mais loucas situações e as contava como se fossem a mais pura verdade (algumas até eram), passava a semana inteira pensando em novas mentiras para cada vez que a visse. Inventar estórias apenas para contar à minha terapeuta se tornou uma obsessão, mas ela nunca demostrava uma reação que me desse sequer esperança de um romance. 

Hoje resolvi dar um basta nesta situação.

Retornei dos meus pensamentos e repentinamente disse:

- Estou apaixonado por você Dr.ª.

-Como assim? Ela respondeu assustada.

- Preciso confessar que todas estas estórias são uma grande mentira. Eu venho aqui há meses apenas para lhe ver. Estou apaixonado e não consigo mais sustentar estes falsos casos. Quando entrei nesta sala e a vi pela primeira vez, percebi o quão idiota estava sendo procurando um copo cheio para um peito vazio. 

Ela ficou parada me olhando atônita e ainda absorvendo tudo o que eu disse.
"Como alguém pode ser tão louco assim", deveria estar passando em sua cabeça. De repente ela voltou a falar.


- Eu também preciso confessar uma coisa.

- Sim! Diga, por favor.

- Eu não sou a Dr.ª Sônia.

-Hã? O que você quer dizer?

- Eu sou apenas a assistente dela. Na primeira vez que você chegou aqui, estava tão desesperado que me confundiu com a Dr.ª. Eu me identifiquei com a sua história e não tive coragem de desfazer o mal entendido. Acho que acabei me apaixonando por você também.

Recebi aquilo como um soco no estômago. O que foi que aconteceu este tempo todo? Eu estava realmente apaixonado ou foi só mais uma invenção da minha cabeça para esquecer meu antigo afeto? Ainda desnorteado corri para o telefone em cima da mesa de escritório e comecei a discar.

- O que você está fazendo? O telefone tocou do outro lado da sala. 

- Ligando para a minha terapeuta. A Dr.ª Sônia precisa saber disso.




3 deixaram-se levar pelo caos:

Aline Bearari disse...

Ia escrever umas coisas ma um "adorei" é bem sincero e honesto! Adorei :_

Anônimo disse...

Essa foi boa!!! Rsrsrs

Ju ♥ disse...

Eita! A Dra. Sônia precisa mesmo saber disso...

 
Escritor do Caos © 2008. Design by Pocket