segunda-feira, junho 17, 2013

Antes do chuveiro‏

segunda-feira, junho 17, 2013
Ficaram ali, parados no tempo, se entre olhando durante alguns instantes. Ela soltou um gemido agudo e suspirou sobre o peito dele como quem deixa o prazer se desprender do corpo. Para ele, aquele som era a melhor sinfonia do mundo.
 

Passou as costas dos dedos sobre o seu rosto e ficou observando a gota de suor que escorria em direção às pintas da bochecha. Ele conhecia cada pinta daquele corpo perfeito e gostava de "brincar" de ligar os pontos entre cada uma. Adquiriu a mania de caminhar com os olhos sobre as curvas daquela pele. Ele achava que a cor dela deveria estar em cada quadro do mundo.
 

Ela rolou com preguiça para o lado e ele mordeu gentilmente seu ombro. Ela tinha um gosto doce que ele não conseguia explicar: era uma mistura de prazer, perfume e sabor que ele pensou que deveria estar em todos os pratos do mundo.  

Em um movimento arrastado ela disse:

- Vou pro banho... 

Ele sorriu com os olhos e ficou admirando ela andar em direção ao chuveiro. No caminho ela parou para ajeitar um dos quadros de bandas de Rock que lotavam o quarto dele. Da cama, ele ficou observando como ela contorcia os dedos dos pés com medo da água fria antes de entrar no chuveiro. Ele achava aquele "sambar" acanhado dentro do Box, mais atraente que qualquer coisa no mundo. 

Ela ligou o chuveiro e, de súbito, ele se deu conta de tudo que estava pensando. Começou a recapitular as memórias até aquele momento. Como se conheceram, quando foi o primeiro beijo, onde foi a primeira transa etc. Percebeu que não havia mais volta e que aquela pele morena já havia ocupado um espaço maior que a sua cama ou o seu quarto. Ela já o havia conquistado por inteiro.

Com os olhos perdidos na direção da luz fraca que passava pela fresta do banheiro, começou a pensar se não era melhor acabar com aquela relação. Ele sempre evitou, sem saber direito o porquê, relacionamentos muito longos. Não deixava nada se estender além da conta de uma vida que ele não sabia se queria. Gostava de se permitir aos egoísmos da vida sozinho, como a cama só pra ele e ninguém mexendo nas suas coisas. 
Mas a cama ficava tão mais interessante com ela nos lençóis... e seu quarto nunca foi tão arrumado. 

Não importa! É melhor resolver isso de uma vez antes que seja tarde, disse a razão.

Eu não me importo! Deixe acontecer ao menos uma vez antes que seja tarde, disse o coração.

Repentinamente ela gritou do chuveiro: 

- Você não vem?

Ele sentou sobre as mãos na beira da cama. Olhou para os lados e para o teto, como se esperasse alguém dar a resposta por ele. Levantou num suspiro preparado para carregar o mundo nas costas e andando em direção ao chuveiro disse: 

- Mas é claro que eu vou...

4 deixaram-se levar pelo caos:

Camilla Azuos disse...

Nossa, que belo texto! Tudo oq vc escreveu me fez reviver uma história de amor - destruída (?) por minha culpa - em minha cabecinha de vento.
É delicioso ver como somos atraídos por alguém, é delicioso ser amado, é delicioso amar. Ah se ele soubesse a falta que ele me faz......

Uouo Uo disse...


thx

كشف تسربات المياة
غسيل خزانات
شركة نظافة عامة

Uouo Uo disse...


thank you

سعودي اوتو

Ju ♥ disse...

e estou exatamente num momento desse... é bom mas é ruim. ô vida difícil!

 
Escritor do Caos © 2008. Design by Pocket