quarta-feira, novembro 18, 2009

Esses cariocas não me enganam

quarta-feira, novembro 18, 2009

Sempre tive tendências hipocondríacas. Desde pequeno, minha mãe acostumou-se aos meus ataques desesperados para ir ao médico. Toda vez que eu me via com uma simples mordida de mosquito, cismava ser uma doença genética rara que só eu possuía. Não sei de onde eu tirava essas ideias, mas sempre acreditei que de uma hora pra outra ficaria famoso por um mistério da ciência qualquer que seria descoberto em mim. Obviamente, isso já gerou algumas histórias constrangedoras e não é incomum um ataque de paranóia pra completar a desgraça.

Entre muitas, lembro dessa em particular:
O cenário era um típico carnaval de cidade pequena, no interior de Minas Gerais. Não sei bem porque, mas eu e alguns amigos achamos que seria uma boa idéia se enfiar em uma casa de 10m² com um quarto e um banheiro sem água encanada. Acho que foi a promessa de álcool em abundância e mulher fácil (não precisamente nesta mesma ordem). Aliás, nunca acreditei muito nessa lenda de que carioca consegue o que quiser em qualquer lugar, mas o pior é que é verdade. Lembro perfeitamente do sentimento de sair nas ruas e todo mundo me olhar cochichando, “Olha! Não é aquele menino que veio do Rio?”.

A certa altura, me acostumei em ser a notícia de cidade pequena e comecei a me achar um verdadeiro Rock Star. Nem preciso mencionar que isso gerou alguma facilidade com as mulheres. Facilidade essa muito bem vinda. Afinal, o que poderiam querer seis cariocas no auge da adolescência, livres das amarras dos pais e soltos em uma cidade totalmente estranha? Resposta: sexo.

Confie em mim, não há nada mais engraçado que um bando de loucos ávidos por uma noite com uma estranha qualquer. Os rituais antes de sair para os blocos eram os mais hilários. Um dizia que tal camisa dava sorte e ficava com ela a semana toda sem lavar, outros se cobriam de perfume em todos os cantos (eu disse todos os cantos) e por aí vai. Eu me contentava apenas em estar com uma cueca limpa.
Os dias foram passando (nenhum sem que estivéssemos completamente bêbados) e o carnaval foi chegando ao fim. Começava a surgir uma aura desesperada por sexo no ar, pois até a terça-feira de carnaval apenas dois de nossos amigos haviam conseguido arrastar alguma mulher para casa com sucesso. E eu, que não era um deles, já havia me conformado em voltar pra casa sem a minha dose. Até que tive meus momentos de prazer nos blocos, mas nada que chegasse ao objetivo final do sexo. Como as mulheres estavam se mostrando mais difíceis do que imaginei, coloquei uma cueca suja qualquer e fui pra rua sem me preocupar.
Ironicamente, foi a noite em que consegui o que todos queriam.

Não vou entrar em detalhes desnecessários, até porque não me lembro deles, mas sei que sem precisar usar muitas palavras dei por mim na cama com aquela mulher maravilhosa (eu sei que exagerei, mas a história é minha e você não estava lá pra desmentir). Transamos e enquanto conversávamos me bateu a já conhecida paranóia hipocondríaca e o seguinte pensamento começou a circular minha cabeça sem parar:

“Eu estou em um lugar totalmente estranho. Com uma mulher que eu nunca vi na vida. Não sei de onde ela vem ou o que faz, e não tenho certeza se lembro o nome dela. Puta que pariu! Eu posso ter acabado de transar com a maior puta desta cidade.”

Perceba que eu não me preocupava com a falta de prevenção, sempre uso camisinha. O que me atormentava era o fato de ter ido com a minha boca à lugares que normalmente não se vai com uma desconhecida (você não esperava que eu dissesse que chupei a garota toda, não é?).

Com a certeza perturbadora de uma DST na língua, deixei a pobre coitada falando sozinha e corri pro banheiro pra escovar os dentes. Escovei uma, duas, três vezes. Mas ainda não acreditei ser o suficiente. Desesperado, vasculhei por todo o banheiro algo como desinfetante ou água sanitária, mas não encontrei. Foi então que num ultimo acesso de esperança avistei um vidro de Cepacol. Sem pensar duas vezes entornei o vidro, que para minha infelicidade, alguém havia esquecido aberto e na mesma hora soltei um berro quando o líquido caiu nos meus olhos: “Ah! Esqueci que essa porra tem álcool.”
Meus olhos queimavam de maneira torturante e qualquer tentativa de diminuir o vermelho que eles adquiriram se mostrou em vão.
Lá de fora alguém gritou: “Tá tudo bem aí? Ouvi um grito.” Havia me esquecido completamente da desconhecida lá fora. “Vamos logo. Eu preciso encontrar com algumas amigas.” Disse ela.
Saí do banheiro com medo de parecer um idiota, e tentando ser otimista pensei: “Talvez ela nem repare nos meus olhos”. Quando me viu a primeira coisa que ela disse foi: “O que aconteceu com os seus olhos?”.

Passado o constrangimento, me despedi da provável causadora da minha morte e fui contar a história para os amigos. Curtimos o último dia de carnaval bebendo e rindo da minha cara. No dia seguinte, acordei sendo estapeado por um de meus amigos. Ele me enchia de socos e ponta-pés enquanto gritava: “Acorda filho da puta! Você acabou com o meu Cepacol. Vai ter que comprar outro.”

E lá fui eu, de olhos vermelhos, por uma cidade pequena, à procura de um vidro de Cepacol. Quando saía da farmácia ainda tive tempo de escutar o tiozinho no balcão: “Esses cariocas não me enganam. Com olhos vermelhos assim só pode ser maconha.”

12 deixaram-se levar pelo caos:

between_ disse...

HAHAHAHA queria fazer um comentario digno, mas só tenho uma coisa a dizer 'euri'

Moonlight disse...

Existem historias em nossa vida que havemos de recorda-las eternamente com muito riso á mistura,naõ é mesmo!!!

Bjs

Sentimental ♥ disse...

kkkkkkkkkkkkkkk
pelo menos o velhote não pensou q vc tinha tomado banho de cepacol né? e nem qual foi o motivo do banho, já q maconha é mais 'comum', ... rs
bjs

Priscy Little disse...

kkkkkkkkkkkkk.. mas que malvadeza com os cariocas, voce são gente boa pouxa! Em minhas ultimas ferias sai do CE rumo ao RJ! E amei!E é como falam: 'cidaaade maravilhosaaa..'

Raphael Oliveira disse...

Ahhhh o interior... rs

Amanda Oliveira disse...

Não sei se aqui em São paulo conseguem o que querem! Paulistanos e cariocas tem um problema crítico de aceitação e interação há décadas! Quanto a sua história, deixa pra lá neh?! Nessas horas, antes ser um maconheiro do que dizer o que realmente aconteceu! Ainda bem que não tenho coragem de contar minhas histórias! Apesar de tb escrever sobre o caos, neste caso sobre mulheres , me reservo ao direito de não falar dos meus momentos de caos! Melhor assim, pelo menos pareço mais civilizada! Rsrs

Visite meu blog!

www.mulheresolharesepernas.blogspot.com

Borboleta disse...

Sou uma estranha, não repare. Vi seu blog por acaso. O texto é tão engraçado que preciso comentar... Deve ter ardido!! Mas antes o Cepacol nos olhos do que doenças na língua, kkkk.

Cariocas abalam mesmo por onde passam. Não sei porque. Acho o sotaque tão engraçado. Vai saber...

Nany Rabello' disse...

HAHAHA'
realmente, a mcaonha destroi a vida do ser humano, mesmo quando ela nem é usada por ele !
certas coisas só acontecem com você heim?
beijoos

Silvana Nunes .'. disse...

Salve !
Navegando pela grande rede sem rumo com a intenção de divulgar o meu blog cheguei até você e gostei do que vi.
Não se assuste, já percebi que existem alguns blogs muito parecidos com o meu, ainda bem que estou no ar desde 2006 - tem um que chega a ser discaradamente igual inclusive no corpo de letra (até o layout é igual...falta de criatividade é um problema).Infelizmente, no momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da telinha está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar um pouco mais de cuidado, mas em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em
http://www.silnunesprof.blogspot.com
Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura, da reflexão e enquanto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam. Pois o maior bem que podemos deixar para os nossos filhos é o afeto e uma boa educação. Isso faz com que ela acredite na própria capacidade, seja feliz e tenha um preparo melhor para lidar com as dificuldades da vida. Com amor, toda criança será confiante e segura como um rei, não se violentará para agradar os outros e será afinada com o próprio eixo. E se transformará num adulto bem resolvido, porque a lembrança da infância terá deixado nela a dimensão da importância que ela tem.
VAMOS TODOS JUNTOS PELA EDUCAÇÃO, NA LUTA POR UM MUNDO MELHOR !
Se achar a minha proposta coerente, siga-me nessa luta por um mundo melhor. Peço que ao responder deixar sempre o link do blog, pois vez por outra o comentário entra com o link desabilitado ou como anônimo. Por causa disso fico sem ter como responder as pessoas.Os meus comentários também entram via e-mail, pois nem sempre a minha conexão me permite abrir as páginas: moro dentro de um pedacinho da Mata Atlântica, creio que mais alto que as antenas, com isso a minha dificuldade de sinal do 3G. Espero queentenda quando não puder visitá-lo.
Daqui onde estou, os únicos sons que escuto aqui é o dos pássaros, grilos, micos., caipora, saci pererê, a pisadeira, matintapereira ... e outras personagens que vivem pela mata.
Por hoje fico por aqui, já escrevi demais. Espero nos tornarmos bons amigos.
Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre e que os bons ventos sopre, sempre a seu favor.
Saudações Florestais !
Silvana Nunes.'.

Anônimo disse...

latour setup headings volcanic afont unveil jogendar primate tdmls cultivation reread
semelokertes marchimundui

Felipe Attie disse...

Cara, melhor um baseado de leve que uma overdose de Cepacol!

Roberto Ney disse...

Este mês o Ó Com Copo comemora 1 ano e é muito bom ter seu Blog fazendo parte desse nosso vórtice de palavras...

"Todo indivíduo possui um potencial criador incomensurável. Um vórtice de idéias e ideais que se misturam ao acaso. Letras, palavras, sons e silêncio. Escrever é compartilhar sentimentos. Então, façamos desse vórtice um devorador de emoções. Escrevam e compartilhem."

Boas Festas!
E que 2010 seja um ano de muitas inspirações!

Roberto Ney ( Blog Ó Com Copo).

 
Escritor do Caos © 2008. Design by Pocket