sexta-feira, outubro 16, 2009

Nada mais que um bêbado qualquer

sexta-feira, outubro 16, 2009
“Não! Definitivamente não.” Gritava o homem em um silêncio particular, discutindo com o próprio coração.
“Vamos lá! Dessa vez vai dar certo. Confie em mim.” E o coração respondia.

-Confiar em você? Você só pode estar brincando. Não se lembra do que aconteceu na última vez que confiei em você?

- Ah! Vai dizer que ainda não superou aquela paixão boba e sem sentido?

- Eu não acredito que estou discutindo com o meu coração sobre isso. Você se apaixona por
quem não deve e o resto do meu corpo é que paga o prejuízo. Não como direito, começo a suar
frio quando vejo as mulheres que você se interessa e sinto calafrios só de pensar em falar com
elas.

- Não coloque a culpa em mim. Culpe os olhos, eles é que gostam de enxergar mais do que as
coisas realmente são. Aproveite e culpe a boca também. Alguns beijos nem eram tão bons
assim.

- Não adianta! Não vou cair nesse seu papo de novo.

- Ah, deixa disso. Vai lá, se apresenta e pronto. Conversa um pouco com ela. Se não foi pra isso
que você veio aqui, por que continua frequentando esses bares e boates de solteiros
desesperados?

- Tá bom. Só mais essa vez.

Atravessou a pista de dança em direção a garota (mais uma que o coração, e não a cabeça escolheu). Foi se aproximando desajeitado, fingindo alguns passos da música que tocava no lugar. Puxou assunto:

- Oi! Tudo bom?

- Desculpe, mas não estou interessada.

- Nossa! Mas você não vai nem me dizer o seu nome?

“Prazer. Camila.” Disse ela no meio do cumprimento de mãos mais gelado que a cerveja que ele
segurava. “Não estou interessada.”

Voltou pro banco do bar onde estava sentado. Sentiu que o caminho da volta fora mais difícil e comprido que o da ida. Sentou-se, e reclamando em direção ao peito disse:

- Eu não falei? Sabia que não devia ter dado ouvidos a um músculo idiota.
“Não quero mais falar sobre isso.”, respondeu o coração.

E quem passasse pelo bar e visse a cena do homem falando sozinho, diria se tratar de nada mais que um bêbado qualquer.

12 deixaram-se levar pelo caos:

Anitha disse...

Realmente romântico.

Naiane disse...

Tadinho. ;~~


Sempre venho aqui, "Escritor". Mas hoje nem venho elogiar seu texto (ta, ta.. ele sempre é bom), mas sim pedir que vá ao meu blog e me ajude.
Sim, na cara dura eu to pedindo ajuda.
Leia e tente me ajudar.

Obrigada.

;**

Camilla Azuos disse...

Coitado... Camillas costumam ser cruéis mesmo...

Nany Rabello' disse...

Esse diálo é mais comum do que muita gente imagina. Ele deveria parar de se entristecer por ela não estar interessada e lembrar da vantagem que ele tem, afinal não é todo mundo que pode escutar o coração antes de agir.
Belo texto, como sempre. Beeijos

Raphael Oliveira disse...

Como sempre muito bom. ;)

Sentimental ♥ disse...

"o coração é um músculo involuntário e ele pulsa"... esse é o problema dele.
bjs

Ane disse...

É muito bom e muito ruim,ao mesmo tempo,escutar o coração.

Te add,no msn ;D.
beeijos.

Pati Grottone disse...

Eu vivo culpando meu coração...por ser um músculo tão molinho...rsrs!

Ótimo texto, como sempre!

Um abraço!

Pati

Tamyris Torres disse...

O problema é que os relacionamentos amorosos estão fadados ao fracasso. Uma hora ou outra todos acabam...Não interesse se duram cinco minutos como o do texto o se duram 80 anos. Uma hora eles acabam. Fracasso é a palavra e ninguém pode discordar disso. Contra fatos não há argumentos!

Naiane disse...

OBRIGADA.

De coração. ;~~

ParadoXos disse...

pudesse eu emprestar o meu coração...


oh!!

forte abraço!

Anônimo disse...

Mudanças de estilo literário!?

Espero que não esteja deprimido nem que tenha lido Paulo Coelho(Fico deprimida só de pensar nisso!)...

Classificação desse comentário: Totalmente desnecessário.

Abraços, Sr.Caótico.

 
Escritor do Caos © 2008. Design by Pocket